Universo dos mitos e lendas mineiras é explorado na videoinstalação “Horas Mortas”

0 Comentários

30/06/2014 às 17:21

Entre as ricas culturas que compõem o Brasil, a memória oral de Minas Gerais se destaca. A videoinstalação “Horas Mortas”, realizada pela produtora Emvideo iLHA de ManhaTTan, explora esse universo mítico a partir de depoimentos de moradores da região da Serra do Espinhaço.

“Horas Mortas” retrata o imaginário popular dos municípios de Conceição do Mato Dentro, Serro, Alvorada de Minas e Diamantina. Aos depoimentos são acrescidas imagens ilustrativas e trilha sonora constituída de sons e ruídos diversos.

No Museu de Artes e Ofícios, janelas e portas servem de suporte para a projeção dos depoimentos, e constroem – vaga e fantasmagoricamente – o ambiente cenográfico que remete  às localidades da Serra do Espinhaço.

O nome da videoinstalação, “Horas Mortas”, se refere ao período do dia, ou melhor, da madrugada, em que, segundo rezam as lendas, os portões espirituais se abrem e vários diabinhos recebem a permissão de atazanar os homens com barulhos, passos, vozes, batidas nas portas…

De geração em geração

No Brasil, sobretudo em Minas Gerais, boa parte das lendas são herdadas de mitos de nações indígenas brasileiras, de histórias procedentes de regiões portuguesas e de tribos africanas que para cá vieram no período do Ciclo do Ouro. No século XIX, novos imigrantes, com seus causos e mitos, vão se integrando às comunidades locais. Dessa mistura de grupos sociais que colonizaram as nossas minas e as nossas gerais, resultou o interessante lendário típico mineiro.

Nos polos turísticos de Minas, são inúmeras as histórias lendárias. Muitas versam sobre pessoas que exerceram fascínio e encantamento ao longo da trajetória de importantes centros históricos, artísticos e paisagísticos do Estado. Outras, de cunho mais fantástico, deixam entrever as crenças religiosas, superstições e costumes dos mineiros.

Assim, o projeto torna-se uma oportunidade para que as pessoas adentrem esse rico universo cultural, que deve ser valorizado como um patrimônio por relacionar-se com a história, os costumes e a identidade do povo mineiro. “Horas Mortas” promove uma reflexão sobre a importância da preservação desse acervo imaterial e sobre as possibilidades de criação artística a partir de nossas raízes.

SERVIÇO

EVENTO: Videoinstalação “Horas Mortas”
LOCAL: Museu de Artes e Ofícios

DATA: Até o dia 14 de julho.
(Praça da Estação, s/ nº, Belo Horizonte/MG, Brasil