terça-feira, 12 d agosto d 2014 - Aberto de 12H00 às 21H00
19H30 - 21H00

Ofício da Música recebe o instrumentista Bernardo Fabris

0 Comentários

12/08/2014 às 19H30

O Museu de Artes e Ofícios (MAO) recebe o instrumentista Bernardo Fabris no “Ofício da Música”, sob curadoria de Poti Castro, para uma apresentação de seu primeiro disco autoral, “Quinteto”. O saxofonista dá destaque em seu repertório para as músicas populares brasileiras, sob o viés da contemporaneidade, com abordagem de diversos gêneros, como o samba, bossa nova, baião e valsa, além das linguagens do jazz, música de câmara e rock.

Entre as canções estão composições autorais e também de outros músicos, como Insensatez de Jobim e Vinícius de Morais. O evento ocorre no dia 12 de agosto, terça-feira, às 19h30, com entrada gratuita, no MAO – na Praça da Estação, Centro.

No show, o público confere as canções autorais “Sejam Bem-Vindos”, “Sentimentos Telúricos”, “A Cidade Invisível”, “Ao Comandante”, “Os Pilares da Criação”, “Cris”, “Estrangeiro”, “Trinca Ferro Soberano”, “Sincopação”; e interpreta “Insensatez” (Antonio Carlos Jobim e Vinícius de Morais) e “Velho Realejo” (Custódio Mesquista e Sadi Cabral).

Bernardo Fabris, natural do Rio de Janeiro, é saxofonista, compositor, arranjador, professor e pesquisador de música. Doutor pela UNIRIO, mestre e bacharel em música pela UFMG, o instrumentista foi aluno de Dilson Florencio, Mauro Rodrigues, Fábio Adour, Jovino Santos Neto, Vinícus Dorin, Nivaldo Ornelas, Toninho Horta, Itiberê Zwarg, Márcio Montarroyos, entre outros. Já se apresentou nos principais festivais de música instrumental de Minas e do país, como “Tudo É Jazz”, “Festa da Música”, “I Love Jazz”, “Savassi Jazz & Lounge”, “Festival de Jazz e Blues de Rio das Ostras”, “Natura Musical” e “Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana”. Fabris é colaborador da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, da Big Band do Palácio das Artes e dos grupos Quinteto Dialeto e Happy Feet Jazz Band. Em seu currículo, apresentações com os renomados Maria Schneider, Naná Vasconcelos, Darcy James Argue, Reff Rupert, Mike Payton, Cléber Alves, Chico Amaral, Nivaldo Ornelas dentre outros. Em 2004, lançou uma coletânea com os músicos Antônio Loureiro, Maurício Ribeiro e Thiago Nunnes, intitulado Coletânea ABMT. O saxofonista foi premiado pelo prêmio BDMG Instrumental, em 2011, como melhor arranjador da edição. Atualmente, o músico é professor adjunto do departamento de música da UFOP, além de desenvolver projetos de pesquisa e extensão nas áreas de saxofone, clarinete, harmonia e improvisação, banda de música, prática de conjunto e arranjo.

MAO

O projeto Ofício da Música tem o patrocínio da Gerdau e para manutenção de suas atividades, o Museu de Artes e Ofícios conta com o patrocínio máster da Oi, o patrocínio da Gerdau, Itaú, Cemig e o apoio do Instituto Oi Futuro, Hospital Mater Dei, CBMM, CBTU, CCR e Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, e com os benefícios das Leis Federal, Estadual e Municipal de Incentivo à Cultura.

 

Serviço Ofício da Música com Bernardo Fabris

Dia 12 de agosto, terça-feira, às 19h30

Local: Museu de Artes e Ofícios (Praça da Estação, Centro, Belo Horizonte).

Entrada gratuita

Sujeito à lotação – até 300 pessoas

 

Serviço MAO:

Museu de Artes e Ofícios (Praça da Estação, Centro, Belo Horizonte)

Horários de Visitação:

Terça e sexta-feira, de 12h às 19h

Quarta-feira e quinta-feira, de 12h às 21hs – sendo de 17h às 21h, com entrada gratuita

Sábado, Domingo e Feriado, de 11h às 17h – sendo sábado com entrada gratuita

Valor da entrada: R$ 5,00, com meia entrada conforme a Lei.

Professores e estudantes tem entrada gratuita.

Assessoria de imprensa Museu de Artes e Ofícios

Jozane Faleiro – (31) 3261.1501 / 9204.1837